segunda-feira, 28 de julho de 2014

Desaparecida

Luana Sampaio da Silva, 14 anos, moradora do bairro São Judas, em Itabuna, desapareceu na sexta (25), quando saiu de casa informando à família que iria para escola. Segundo informações de familiares, a adolescente desde então não chegou à escola e nem retornou para sua residência. A família e o namorado estão desesperados a procura de Luana, que até o momento da publicação desta matéria não entrou em contato e nem voltou para casa, informam ainda que a menina não teria motivos para fugir de casa. Quem tiver informações, favor ligar para 190.

Ocorrências do 15º Batalhão da Polícia Militar

ITAJUÍPE
1.1 PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO
Por volta das 9h10 do dia 27/07, uma guarnição da PM, em ronda de rotina, abordaram no Centro de Itajuípe, dois indivíduos em uma motocicleta CBX 250, preta, placa JQC 7513, com RAFAEL DE JESUS SANTOS, residente na Rua Valentim Neves, bairro Alto da Liberdade, Itajuípe, foi encontrado um revólver cal. 38, numeração raspada, municiada com cinco cartuchos deflagrados e um intacto, com VAGNER SILVA CAMPOS, residente na Fazenda Santa Rita, nada foi encontrado, ambos conduzidos a delegacia de Itajuípe, juntamente com o veículo, posteriormente apresentados no Complexo Policial de Itabuna.

ITABUNA
2.1 PORTE DE ENTORPECENTES
Por volta das 15h10 do dia 27/07, uma guarnição da PM em ronda na Rua Ocidente, bairro Califórnia, abordou GEOVANE JUNIOR MARQUES SANTOS, com ele foi encontrado quatro pedras de substância aparentando ser crack, pesando um grama, celular e R$ 195,00 (cento e noventa e cinco reais) em espécie.

Mensagem do vereador Cosme Araújo


A história do município de Itabuna (1910/2014) tem sua cronologia confundida com a própria origem do seu perímetro urbano, a partir de meados do século XIX, reduzindo-se a importância da centenária Ferradas, que foi a primeira Vila - com o nome de D. Pedro de Alcântara, três décadas antes de Tabocas -, e o primeiro povoamento urbano no território daquele que viria a ser o município de Itabuna. A história de Tabocas, em seus primórdios, não apresenta registros escritos. Os dados mais fundamentais se originam da oralidade, em levantamento realizado por um de seus principais historiadores: José Dantas de Andrade, a partir dos anos 30 deste século.

Procon inaugura posto municipal em Itabuna

Nesta segunda-feira (28), o Procon-BA (Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor), realizará a inauguração do Procon Municipal, juntamente com a Prefeitura de Itabuna, localizada a 426 km de Salvador. A inauguração ocorrerá às 11h, na Praça Olinto Leone, s/n, Centro, em Itabuna. De acordo com o superintendente do Procon-BA, Ricardo Maurício Freire Soares, a unidade terá por objetivo promover, planejar e executar ações de proteção aos direitos dos consumidores.

Publicidade

Ilhéus tem Inspeção Veicular gratuita

A Porto Seguro esteve em Ilhéus (BA) com sua Linha de Inspeção Veicular, até este domingo (27). O atendimento foi realizado em frente à Catedral de São Sebastião, na Av. Soares Lopes. Segurados e não segurados levaram seus veículos para realizar diagnósticos gratuitos em diversos itens de segurança, como sistema de freios e suspensão, alinhamento, bateria e alternador, além da análise de emissão de poluentes. A iniciativa da Porto Seguro visou auxiliar os motoristas na avaliação de seus veículos, para que evitem problemas com multas e acidentes provocados pela falta de cuidados com os automóveis, durante viagens ou passeios. Nas Linhas de Inspeção, os condutores tiveram acesso a uma série de diagnósticos gratuitos, que permitiu, conhecer melhor as reais condições de uso de seus carros. A partir da avaliação feita por profissionais especializados, o motorista é orientado sobre as manutenções que eventualmente precise realizar para garantir um uso mais seguro de seu veículo no dia a dia. Ao passar pela Linha de Inspeção Móvel Porto Seguro, o motorista recebue ainda um relatório com a análise de emissão de poluentes do veículo, contendo a quantidade de gás carbônico (CO2) que o mesmo lança na atmosfera, em comparação com a quantidade adequada, levando-se em conta o modelo, ano e combustível que utiliza. Apresenta também os resultados dos demais itens analisados e o técnico da Porto Seguro indica as possíveis soluções para o problema, regulagens ou reparos necessários.

Mensagem do vereador Nadson Monteiro


Publicidade

Domésticas devem ter a carteira assinada até o dia 8

A partir de 8 de agosto empregadores que deixarem de assinar a carteira de trabalho de empregadas domésticas estarão sujeitos a uma multa de R$ 805. O valor pode aumentar em caso de omissão do empregador, idade do empregado e tempo de serviço. Esta é mais uma das medidas que passam a valer após a aprovação da PEC das Domésticas no ano passado, assim como a jornada de trabalho de oito horas e o pagamento de horas extras. Alguns direitos previstos pela lei ainda dependem de regulamentação. Presidente em exercício da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da OAB-BA, a advogada trabalhista Cínzia Barreto explica que a nova lei não faz parte da PEC das Domésticas, mas vem na esteira da conquista de direitos. "A obrigação não é nova. A novidade é o Ministério do Trabalho ter o poder de cobrar a multa e fazer uma autuação. A autuação já acontecia em empresas. Para o doméstico não existia", diz. Apesar da lei, ainda há uma indefinição pelo Ministério do Trabalho de como será feita a fiscalização, já que um auditor não poderá entrar na casa das pessoas. "O fato de a multa estar prevista em lei não significa que ela será automática. Só será multado o empregador que for denunciado ou acionado na Justiça pela doméstica", afirma a advogada trabalhista Isabelli Gravatá. Apesar de apontarem as dificuldades de fiscalização, especialistas alertam que os patrões devem regularizar a situação antes do prazo para evitar denúncias e ações trabalhistas.

Grupo faz manifestação e fecha rodovia BA-093

Os moradores de Simões Filhos fecharam um trecho da rodovia BA-093 na manhã desta segunda-feira (28). Segundo informações do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV), o grupo com cerca de 100 pessoas fechou os dois sentidos. O protesto se iniciou por volta das 5h, na altura do km 12. Ainda de acordo com o Batalhão Rodoviário, o grupo reivindica pela criação de um novo retorno na região. Segundo os moradores, o retorno mais próximo da região fica bem próximo ao pedágio. Equipes do Batalhão Rodoviário estão no local acompanhando a manifestação. Por conta do protesto, o trânsito está congestionado no local. Ainda não há informações da extensão do protesto.

Wagner diz que Rui mostrará falta de projetos da oposição

Em final de mandato e na corrida para eleger o seu sucessor nas eleições de 5 de outubro, o governador Jaques Wagner (PT) exibe a tranquilidade de quem já saiu vitorioso das urnas por duas vezes, no primeiro turno, em 2006 e 2010. “Eu continuo achando que é muito possível ele ganhar no primeiro turno, mas, não falo isso porque essa não é a bandeira. A bandeira é ganhar”, previu, se referindo ao seu candidato ao governo, Rui Costa (PT). Segundo ele, Rui articulou os principais projetos importantes para a Bahia nesse mandato. Wagner também destaca a influência da presidente Dilma Rousseff (PT) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na escolha do eleitor. Na entrevista, concedida durante o primeiro almoço na sede da Tribuna, em comemoração aos 45 anos do jornal, ele fez referências ao amigo e aos tempos de ministro do Trabalho. Na avaliação da disputa ao Senado, Wagner revela que o candidato da oposição, Geddel Vieira Lima (PMDB), tem taxa maior de conhecimento, porém aposta no currículo de seu aliado, Otto Alencar (PSD), e na lógica que teria prevalecido nos últimos pleitos, de o governador puxar votos para o senador. O chefe do Executivo critica a falta de projeto da oposição. “Qual é o projeto político que é o guarda-chuva da chapa? É o projeto do PMDB? Do DEM? O nosso tem projeto, o nacional de Lula, Dilma e o meu e os nossos aliados”, disse. Nesta entrevista, Wagner ressalta ainda a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), apesar de admitir as dificuldades na área econômica.

Incentivo a carros teve impacto de 0,02% no PIB

Alardeada pelo governo como uma das principais estratégias para alavancar o crescimento da economia brasileira - estimulando o consumo - a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos teve impacto muito pequeno sobre o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). A conclusão é de um estudo feito pelos economistas Alexandre Porsse e Felipe Madruga, professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR). De acordo com os cálculos feitos pelos economistas, a desoneração para as montadoras gerou aumento de apenas 0,02% ao ano no PIB do país. A renúncia fiscal começou a ser usada, em 2009, para combater os efeitos da crise internacional. Os dados mostram que o setor automotivo concentrou 53,4% das desonerações concedidas pelo governo, entre cinco setores. De um total de desonerações de R$ 15,5 bilhões entre 2010 e 2014, R$ 8,3 bilhões foram para este setor. O produtos de linha branca (geladeira e máquina de lavar, por exemplo) ganharam R$ 958 milhões; alimentos ficaram com R$ 1,2 bilhão; móveis, com R$ 1,6 bilhão e outros setores receberam R$ 3,4 bilhões. - O efeito colateral de priorizar a indústria automotiva é uma redução do consumo de outros bens, porque o consumidor fica comprometido com essa dívida por um prazo longo. Além disso, a redução de imposto para carros beneficia faixas da população com renda mediana ou mais elevada. Para atingir pessoas que ganham até um salário, o ideal é que o corte tributário beneficie vários setores da indústria - analisa Porsse.

Anac demora 6 anos para julgar queixa de passageiro

As reclamações que os passageiros fazem à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) contra empresas aéreas por má prestação de serviço levam seis anos para ser totalmente julgadas pelo órgão. Estão em julgamento em 2014 as queixas feitas em 2008, quando atuavam companhias que não existem mais, como a Webjet, incorporada à Gol, e a Trip, comprada pela Azul. Os registros de 2009, por exemplo, ainda estão na fila. Passageiros cujas denúncias foram julgadas dizem mal se lembrar da razão pela qual procuraram a agência. Esses julgamentos se referem a processos administrativos na Junta Recursal, a segunda instância da Anac. É quando a empresa é multada pela agência e recorre para não ter de pagar, por infrações como prática de overbooking, extravio de bagagem e não prestação de assistência devida ao passageiro. Nessa etapa, estão pendentes de análise e julgamento 3.815 processos administrativos, segundo a agência. A maioria diz respeito a infrações por desrespeito ao passageiro das principais companhias de transporte regular (TAM, Gol, Azul e Avianca), mas há também recursos de empresas de táxi aéreo e de aeroportos, entre outros. Na prática, as empresas só ficam obrigadas a pagar eventuais multas após concluído o processo administrativo --que, na maioria dos casos de desrespeito ao passageiro, acaba na segunda instância. Isso se não decidirem recorrer à Justiça, o que retarda ainda mais o pagamento. Nos julgamentos de segunda instância da Anac em 2014, as multas aplicadas às empresas aéreas foram de R$ 7.000 e R$ 10 mil, na média. Em situações excepcionais (multas de R$ 50 mil ou mais, por exemplo), o processo pode ir à terceira instância.

ONU diz que queda de avião pode ser 'crime de guerra'

A ONU denuncia que a derrubada do avião da Malaysia Airlines pode ser considerada como um "crime de guerra" e pede que uma investigação independente seja realizada para determinar os autores do ataque. "A derrubada do avião no dia 17 de julho é uma violação do direito internacional. Dadas as circunstâncias, isso pode ser um crime de guerra", declarou na manhã desta segunda-feira, 28, a Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay. "É imperativo que uma investigação urgente, efetiva, independente e imparcial seja conduzida", declarou. O avião foi abatido quando fazia o trajeto entre Holanda e Malásia, com 295 pessoas à bordo. O governo americano acredita que a aeronave foi derrubada graças a um míssil lançado por grupos separatistas apoiados por Moscou. O Kremlin nega qualquer envolvimento. A nova acusação faz parte de um novo informe da ONU que denuncia o "terror e medo" instalado no Leste da Ucrânia por grupos armados separatistas e alerta que essas organizações estão sendo apoiadas por "políticos e cidadãos" russos. Em um informe apresentado nesta segunda em Genebra, a entidade destaca que mais de 1,1 mil pessoas teriam morrido na região desde abril e o estado de direito entrou em colapso. "Há uma séria deterioração da situação, apesar do cessar-fogo que teve um fim em junho", declarou Gianni Magazzoni, um dos principais autores do informe da ONU. Segundo ele, houve cerca de cem violações do cessar-fogo até hoje. O informe ainda denuncia torturas, execuções e sequestros por parte de grupos armados ilegais que são usados para "aterrorizar a população". Para a ONU, os cidadãos do Leste da Ucrânia estão sendo manipuladas diante da disputa entre o governo ucraniano e grupos armados. No total, 717 pessoas teriam sido sequestradas. Dessas, não se sabe o destino de 375. "Elas estão sendo usadas como moeda de troca, para fins de extorsão ou mesmo para influenciar regiões", completou Magazzoni.

Cresce o número de idosos com o vírus HIV no Brasil

"No tempo deles, ninguém vivia até os 60 anos. Hoje, vamos até 80, 90, e o idoso quer aproveitar. Está tudo muito mais fácil do que quando as mulheres tinham que ser muito reservadas, por exemplo. E outra coisa: acham que não pega em velho. Pensam que, se pegar, já está morrendo mesmo. Mas não é uma morte fácil." O relato é de Jussara Santos, 63 anos, presidente da Fraternidade Assistencial Lucas Evangelista (Fale), entidade que abriga soropositivos no Distrito Federal. Nos últimos 10 anos, ela percebeu o início de uma mudança na faixa etária das pessoas que buscam assistência na comunidade fundada há mais de 20 em uma chácara do Recanto das Emas. Se no início eram muitos jovens homossexuais, agora surgem idosos. "Não sei dizer exatamente o que mudou. É como se, de repente, eles se percebessem livres e se esquecessem de se cuidar", arrisca. Um fato: muitas coisas mudaram entre as experiências vividas pelos jovens de 20 e poucos anos na década de 1970 e a realidade de um idoso aos 65 em 2014. Nesse período, turbulentos e polêmicos episódios alteraram permanentemente o que era esperado por aquele setentista como um "envelhecimento tradicional". O divórcio, por exemplo, foi oficialmente instituído em 1977 no Brasil. Até meados dos anos de 1980 — quando surgiram os primeiros casos de Aids —, a camisinha era utilizada somente como método contraceptivo. E, apenas em 1998, foi aprovado o primeiro remédio oral para a disfunção erétil pela agência de vigilância sanitária dos Estados Unidos, a FDA.

Estaleiros veem demanda incerta

Os estaleiros criados nos últimos anos no Brasil para atender a Petrobras vivem momento de incerteza. O cenário é marcado por atrasos em obras, transferência de serviços para China e Japão e dúvidas sobre a colocação de novas encomendas pela estatal. Estaleiro Atlântico Sul (EAS), de Pernambuco; Enseada Indústria Naval, da Bahia; e Estaleiro Rio Grande, do Rio Grande do Sul, vêm trabalhando para melhorar a gestão e aumentar os índices de produtividade, inferiores aos dos concorrentes asiáticos. Juntos, esses três estaleiros investiram R$ 6,6 bilhões para criar parques industriais modernos. Mas enfrentam o desafio de se instalar e de melhorar a administração e a operação à medida que precisam cumprir contratos de entrega de navios, plataformas e sondas de perfuração para a Petrobras, o cliente único dos grandes estaleiros nacionais.

Hóspedes do medo

A chuva e o frio só deixaram o domingo mais triste para 19 famílias de dois prédios vizinhos do Viaduto Batalha dos Guararapes, no Bairro São João Batista. Foram os primeiros moradores removidos desde que a alça sul caiu, matando duas pessoas e ferindo 23. A intenção é garantir a segurança de quem reside ao lado da alça norte, que pode desabar a qualquer momento e atingir os imóveis. Famílias como a de Ana Lúcia Machado (foto), levadas para hotel no Bairro Cachoeirinha, Região Noroeste, estão preocupadas com o risco de os apartamentos serem arrombados e até mesmo de que tudo venha abaixo, uma vez que a maioria dos pertences ficou para trás. Quinze moradores se recusaram a sair e oito não estavam em casa ontem. A Defesa Civil informou que todos estão cientes do perigo.

Há ônibus nas ruas, mas população reclama de demora

A manhã desta segunda-feira (28) começou com ônibus nas ruas. A expectativa era grande por conta da greve dos rodoviários, iniciada nesta segunda, mas, pelo menos nas primeiras horas, vários coletivos são vistos nas ruas do Grande Recife. De acordo com o Urbana-PE, sindicato das empresas de ônibus, cerca de 66% da frota dos ônibus estão nas ruas da Região Metropolitana do Recife (RMR). Mesmo assim, algumas pessoas têm entrado em contato com o Jornal do Commercio através das redes sociais e de telefonemas para informar dificuldades na hora de pegar o coletivo para seguir ao trabalho. Muita gente informa que a quantidade de ônibus está reduzida e, por conta disso, a dificuldade. A greve foi decretada na última sexta-feira, após uma fracassada negociação entre os trabalhadores e os patrões. Diante da possibilidade de caos, uma liminar foi expedida determinando que 100% dos rodoviários fossem para as ruas nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 20h). Nos demais horários a exigência do órgão é que pelo menos 50% dos ônibus circulem. O Sindicato dos Rodoviários do Recife e Região Metropolitana disse que iria cumprir a decisão, mas muita gente acredita que o grupo vai sair das garagens e parar os ônibus em grandes cruzamentos, atrapalhando o tráfego. Os rodóviários reivindicam aumento de 10% no salário e pedem ainda que o valor do tíquete-alimentação, de R$ 171, seja reajustado para R$ 320. Os empresários oferecem 5% de aumento no salário e no tíquete, proposta recusada pela categoria. Atualmente motoristas recebem salário de R$ 1.605, cobradores R$ 738 e fiscais R$ 1.037. Por conta da greve, o Metrorec informou ter reforçado a quantidade de trens para suprir a falta dos coletivos. A linha Centro, 16 trens estão fazendo o trajeto, com intervalo médio de quatro minutos. Na linha Sul há mais metrôs que o habitual e o intervalo também foi reduzido.

Indústria fecha 6,6 mil vagas

Chegaram ao emprego os efeitos do freio na engrenagem da indústria gaúcha. Os reflexos do ritmo lento da atividade aparecem em indicadores recém-divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Ministério do Trabalho. Sem sinais de reaquecimento da economia, avisam os empresários, a tendência seria de aceleração nas demissões nos próximos meses. Na sexta-feira passada, surgiu uma tênue expectativa de que a injeção de recursos disponíveis para crédito – foram liberados R$ 45 bilhões pelo Banco Central – possa melhorar o humor na economia, mas não há certeza de que contribua para manter o nível de emprego do setor. Dados do IBGE mostram que, de janeiro a maio, o Rio Grande do Sul teve retração de 4% no emprego industrial, a maior taxa entre as 14 regiões pesquisadas. Pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, o saldo mensal de criação de vagas, que se mantinha positivo até abril, apresentou resultado negativo nos últimos dois meses. No ano, as admissões na indústria superam em 20,9 mil o número de desligamentos, mas em maio e junho houve 6,6 mil demissões acima do número de contratações. Conforme o IBGE, a maior retração no emprego ocorreu nos segmentos calçadista e metalmecânico. – Os programas de estímulo do governo amenizam, mas não surtem efeito. Os pedidos sumiram – reclama Getulio da Silva Fonseca, presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul.

Banco Central deixa o mercado desorientado

Pressionado por uma conjuntura complicada — inflação resistente e economia desaquecida, em plena corrida eleitoral — o Banco Central (BC) oscila entre estimular o crescimento e controlar a alta dos preços. Na sexta-feira, anunciou medidas de estímulo à oferta de crédito um dia depois de indicar, em documento, que precisava manter o juro alto para controlar a inflação. O BC decidiu permitir que até 50% do recolhimento compulsório relativo a depósitos a prazo seja cumprido com operações de crédito, sejam novas ou aquisições de carteiras de outros bancos. O BC também ampliou de 58 para 134 o universo de bancos que podem vender suas carteiras a terceiros, "sem restrições". Além disso, também ampliou a quantidade dos que poderão lançar mão de até 20% de seus compulsórios sobre depósitos à vista para empréstimos e financiamentos que sejam enquadráveis no Programa de Sustentação do Investimento do BNDES. Em um segundo comunicado, divulgou ajustes em critérios sobre o requerimento mínimo de capital para risco de crédito das operações de varejo, permitindo "alocação de capital mais compatível com o histórico de pagamentos da operação". O capital adicional requerido nas operações de crédito em função do prazo original de contratação passa a ser pelo prazo remanescente, isto é, até o vencimento. Segundo disse na sexta-feira em entrevista coletiva a jornalistas em Brasília o chefe do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do BC, Sérgio Odilon dos Anjos, as medidas não tem potencial inflacionário. O BC disse, em nota, que as medidas foram tomadas levando em consideração a recente moderação na concessão do crédito, inadimplência relativamente baixa e menor nível de risco no sistema financeiro nacional.Os anúncios deram margem areações de todo tipo.