BAIXOU GERAL NO POSTO DOS TAXISTAS: GASOLINA: R$ 3,91, ETANOL: R$ 2,95

BAIXOU GERAL NO POSTO DOS TAXISTAS: GASOLINA: R$ 3,91, ETANOL: R$ 2,95

domingo, 7 de maio de 2017

Moro pede a apoiadores que evitem ir à Curitiba dia 10


O juiz Sérgio Moro usou as redes sociais para pedir aos apoiadores da Operação Lava-Jato não compareçam em Curitiba na próxima quarta-feira, dia em que o ex-presidente Lula será interrogado. O recado foi divulgado na página do Facebook criada pela esposa dele. Em pouco mais de um minuto, Moro destaca no vídeo o apoio que tem recebido pelas investigações. No entanto, pede que o movimento seja evitado. "Tenho ouvido que muita gente que apoia a Operação Lava-Jato pretende vir a Curitiba manifestar esse apoio, ou pessoas mesmo de Curitiba pretendem vir aqui manifestar esse apoio. Eu diria o seguinte: esse apoio sempre foi importante, mas nessa data ele não é necessário. Tudo que se quer evitar nessa data é alguma espécie de confusão e conflito e, acima de tudo, não quero que ninguém se machuque em eventuais discussões nesta dat. Não venha. Deixe a Justiça fazer o seu trabalho. Espero que todos compreendam", disse o magistrado. Moro destaca ainda no vídeo que o interrogatório de Lula é um ato normal do processo e que nada de extraordinário deve acontecer na data. O ex-presidente Lula é réu em ação penal que sob acusação de ter recebido propina da construtora OAS. Originalmente, o interrogatório de Lula estava previsto para o dia 3 de maio, mas foi remarcado por Moro para 10 de maio a pedido da Secretaria de Segurança Pública do Paraná e da Polícia Federal. As corporações alegaram necessidade de mais tempo "para providências de segurança" diante de manifestações populares que poderiam ocorrer em Curitiba. Na ação, Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio - de um valor de R$ 87 milhões de corrupção - da empreiteira OAS entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio do tríplex no Guarujá, no Solaris, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016. (EM)

Nenhum comentário: