segunda-feira, 22 de julho de 2019

Estudantes de Jussari e Itajuípe desenvolvem audiovisuais

Jussarí e Itajuípe são duas cidades da região Sul da Bahia cercadas pela Mata Atlântica, que têm um povo trabalhar e hospitaleiro. A história da sua gente, as raízes culturais e a identidade dos lugares poderão ser contadas pelos estudantes do Colégio Estadual Amélia Amado, em Jussari, e do Colégio Estadual Polivalente, de Itajuípe, que foram envolvidos no workshop em Produção Audiovisual e no Hackathon – um desafio de Produção de Vídeo, que estão sendo promovidos pela Secretaria da Educação do Estado, por meio do projeto Escolas Culturais. O foco do audiovisual é a cidade, envolvendo temáticas como identidade, protagonismo, autoestima e, também, o fortalecimento dos itinerários formativos, conforme prevê a Base Nacional Comum Curricular (BNCC); a partir da abordagem de conteúdos das diversas áreas do conhecimento como História, Geografia e Sociologia.
As atividades estão sendo ministradas pela coordenadora de Tecnologias e Audiovisual da SEC, Carla Almeida, e pela professora de audiovisual da rede estadual, Fau Coelho. Carla Almeida explicou que, a princípio, a iniciativa deve contemplar todas as unidades escolares com o projeto Escolas Culturais. Segundo ela, além de ampliar os conhecimentos sobre o audiovisual, o workshop também visa despertar no estudante o pertencimento sobre o lugar onde eles vivem. “Durante a formação, estamos explicando todas as etapas do processo de produção de um curta, tiramos dúvidas e ensinamos como manusear os aparelhos, além de auxiliamos durante as filmagens. Importante destacar que tudo isso tem um dos objetivos trabalhar os novos itinerários formativos, conforme prevê a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC)”, reforçou. Para as filmagens são utilizados os equipamentos disponibilizados pelo projeto Escolas Culturais e os dispositivos móveis dos participantes. A estudante Kailane de Jesus,17 anos, 2º ano do Ensino Médio, do Colégio Estadual Amélia Amado, disse que gosta de fazer vídeos amadores para publicar nas suas redes sociais e que deve melhorar o seu desempenho a partir desta formação. “Faço muitos vídeos para minhas redes sociais, só que nada profissional. Audiovisual é uma área que sempre tive interesse. É importante saber como acontece as gravações de um filme, os bastidores, a edição, quem pensou no roteiro. Quero me qualificar e fazer bons vídeos e aumentar minhas visualizações”, revelou. Já Ryan César Pinheiro, 15, 1º ano, disse que a formação irá contribuir para seu crescimento profissional. O jovem é cantor e quer divulgar seu trabalho pela internet. “É uma proposta muito bacana esta formação em audiovisual. Isto irá me ajudar muito com a criação de vídeos e para mostrar meu trabalho para um maior número de pessoas”, comemorou o estudante. Lançado em 2017, o projeto Escolas Culturais é resultado de parceria entre as Secretarias da Educação (SEC), da Cultura (SECULT) e da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), além da Casa Civil e já foi implantada em 85 unidades em toda Bahia. O Projeto incrementa a arte e a cultura no currículo aliada à oferta de cursos de qualificação e formação profissional nas respectivas áreas, além de integrar a escola com a comunidade.

Nenhum comentário: