segunda-feira, 6 de julho de 2020

TV aberta mais viva do que nunca; Record foi a que mais cresceu

Para quem acha que a TV é um equipamento ultrapassado abro esta coluna já informando que em 2020 o total de TVs ligadas no país cresceu 20% na comparação com 2001, o primeiro ano deste século. Os dados fazem parte do mais abrangente levantamento já feito sobre audiência na TV aberta no mercado nacional sobre o comportamento do telespectador no século atual --o das novas mídias. Todos os números se referem à comparação entre primeiros semestres. Os números são do Ibope e da Kantar Ibope Media -as duas empresas que mediram audiência nesse período (a Kantar comprou o Ibope).
Vamos aos números: Todas as emissoras, com exceção da Record, caíram em audiência e share. Desde 2001 a Globo perdeu 1 em cada 5 telespectadores 20%). O SBT perdeu em cada 5 (40%). Mas em share a TV de Silvio Santos perdeu 49%. Ou seja, metade das TVs que sintonizavam o SBT em 2001 não fez mais isso em 2020. A Band perdeu quase um em cada 4 telespectadores. A RedeTV, assim como o SBT, também perdeu quase 2 em cada 5 (40% em pontos). Em share, a RedeTV perdeu quase o mesmo que o SBT: 48%. Já a Record no mesmo espaço de tempo saltou 51% em pontos de audiência e 26% em share. É a única emissora que registra ganho de audiência em pontos e de público no share. Ganhou um telespectador para cada 3 que já tinha. Na Grande São Paulo, o número de ligados subiu 10%, mas as quedas de pontos e de share foram grandes também. Mais uma vez a única que subiu foi a Record: 5%. Já a Globo caiu 19%, quase a mesma proporção que no país (1 de cada 5 telespectadores) O SBT perdeu 2 de cada 5 também. RedeTV e Band registraram quedas acentuadas. Qual o motivo? O diagnóstico é, apesar de criticada, a Record e seus investimentos têm surtido mais efeito que as concorrentes no longo prazo. A emissora da Barra Funda saiu de um quarto lugar (às vezes quinto) para a briga pela vice-liderança nacional este ano com mais jornalismo. Atenção, repetindo: os dados abaixo se referem às 24 horas do dia. É bom lembrar que a perda de audiência da TV aberta ocorre na comparação de 2001 com 2020, e o atual ano tem um trimestre "distorcido" a favor das emissoras, devido à quarentena causada pela pandemia de coronavírus. Veja a evolução (e involução) do ibope da TV aberta neste século Para entender a tabela os números seguem a seguinte ordem: TV, ano, ponto de ibope, share e % de variação de pontos e de share:
Globo 2001 - 16 pontos e 50,1% de share. 2020 - 13 pontos e 33,9% de share (-19% e -32%) 
SBT 2001 - 7,4 pontos e 23,1% de share. 2020 - 4,6 e 12,0 (-38% e -48%) Record 2001 - 3,0 pontos e 9,3% de share. 2020 - 4,5 pontos e 11,8% de share (+51% e +26%) 
Band 2001 - 1,7 ponto e 5,2% de share. 2020 - 1,3 ponto e 3,3% de share (-24% e -37%) 
RedeTV 2001 - 0,9 ponto e 2,9% de share. 2020 - 0,6 ponto e 1,5% de share (-39% e -49%). (Ricardo Feltrin/Uol)

2 comentários:

Anônimo disse...

Mas a Globo deve tomar a liderança novamente, e só começa o futebol, a rede Record no quisito jornalismo uma merda reportagem de 20 anos atrás, novelas repetindo mais de 10 vezes, esporte uma negação até os programas esportivos acabaram, e os programas diários umas merdas, então apesar de ser um tv contra a família a Globo é liderança sempre

Anônimo disse...

essa record merda pura nunca so passa porcaria e ainda diz e evangelica.